Três tópicos e uma conclusão sobre os movimentos no Ministério da Cultura

Ocidentalismo.com não é um blog de política, mas o MinC aqui sempre terá espaço. Poucas coisas sobre os recentes eventos: 1) A despeito da reação surpresa de muitos comentaristas respeitáveis, é de se pensar se não seria a metralhadora giratória da ex-Ministra da Cultura Marta Suplicy, uma jogada ensaiada: como dizia Ulisses Guimarães, em política… Leia mais Três tópicos e uma conclusão sobre os movimentos no Ministério da Cultura

Os ingênuos da esquerda

Que os chargistas assassinados eram – nas palavras de um analista da Folha de São Paulo – de “esquerda, anti-racistas, anti-fascistas, anti-colonialistas, simpatizantes do comunismo ou do anarquismo” é indubitável. E também evidente que, como bons homens do humor, eram em grande medida iconoclastas (singular era o nível de iconoclastia, realmente pouco educada, como poderá… Leia mais Os ingênuos da esquerda

Uma “quase novidade” sobre o massacre

A cobertura da grande mídia seguiu seu rumo natural, como comentado na postagem passada. Algumas poucas leituras foram mais curiosas, e entre elas não me passou despercebida a visão de analistas que diziam ver como maior problema e preocupação do atentado, o “recrudescimento das forças políticas de direita” que um evento desses incita. Frente a… Leia mais Uma “quase novidade” sobre o massacre

As obviedades quanto ao massacre

Como antevisto no dia do massacre, a cobertura do atentado ao Charlie Hebdo seguiu as mesmas óbvias duas linhas abjetas de raciocínio: a diluição da culpa entre todas as religiões e a culpabilização das vítimas, seja por falta de prudência ou mesmo a pertinência do terrorismo como modalidade de “reivindicação”. Muitos comentaristas que considero sérios… Leia mais As obviedades quanto ao massacre

Uma nada edificante história de Ano Novo

O concerto de Ano Novo da Filarmônica de Viena foi este ano, mais uma vez, a tradicional festa midiática internacional da música clássica “séria” – com transmissão para 90 países e mais de 50 milhões de telespectadores. Digo música clássica “séria” não por anglicismo, mas para opor àquela reconhecidamente desprestigiada nos meios “cultos”, a música… Leia mais Uma nada edificante história de Ano Novo