Ocidentalismo

por Leandro Oliveira

Beethoven por Swafford

Ao lado de Uma história cultural da Rússia de Orlando Figes, é o Beethoven de Jan Swafford a maior aquisição de minha estante entre os lançamentos de 2017. Ambos livros únicos para qualquer um interessado em história da cultura, realizam movimentos opostos: o primeiro, do geral, nos permite lançarmo-nos a ensaios particulares; o segundo, do particular – o mais intimamente particular -, suscita inquietações estimulantes para o quadro geral de toda uma época.

Mas enquanto Uma história cultural… é a tradução do tour de force enciclopédico Natasha’s Dance, que remonta o ano de 2002, Beethoven é atualíssimo: sua publicação original em inglês é do segundo semestre de 2014, e o impacto de sua recepção no ambiente de língua inglesa segue em aberto. Neste sentido, um ponto inequívoco da editora.

Organizado em mais de mil páginas, o livro de Swafford reúne duas obsessões musicológicas em uma publicação. Ao estudo documental e biográfico, Swafford acrescenta uma série de explorações sobre muitas entre as mais importantes obras do gênio de Bonn. Colocando-se, desse modo, ao lado de publicações importantes como as de Maynard Solomon (2001) e Lewis Lockwood (2005), ele talvez as ultrapasse pela amplitude e atualização de toda a pesquisa.

Com uma extraordinária capacidade analítica, o autor estabelece relações sofisticadas entre obra e vida que talvez só possam ser comparáveis aquelas de Irving Kolodin e seu quase esquecido ensaio The Interior Beethoven (1975). Pois, de fato, muito do que aparece como novo e estimulante na leitura de “The Interior Beethoven” deve-se, muitas vezes, àquilo que encontramos – no caso, com muito mais rigor metodológico – em Swafford: seu Beethoven é cheio de insights formidáveis, além de não pequena ousadia para a leitura dos textos musicais e epistolares de Beethoven.

Swafford jamais deixa que o frescor das ideias musicais de seu biografado caiam no maneirismo da análise crua da autópsia, mas tampouco, à diferença de Kolodin, permite que suas inquietações solapem a análise de questões factuais ou excedem os limite dedutivos de suas inferências.

Sem ser proibitivamente técnico, o livro é muito fluente – e, acredito, acessível mesmo para não estudiosos de música. Questiúnculas de revisão técnico-musical sobram nesta tradução para o português, mas no todo Beethoven: angústia e triunfo é um documento magistral pela amplitude e profundidade que, ao lado do Beethoven de Lockwood, servirá para o leitor brasileiro conhecer a vida e obra de um dos mais extraordinários artistas de todos os tempos.

Resenha publicada na Amálgama, revista digital.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 1 de dezembro de 2017 por em livros, Resenha e marcado , , .

Últimos tweets

No ocidentalismo não salvamos almas. Alimentamos os peixes para passar as horas…

Agenda de posts

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« maio   mar »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
%d blogueiros gostam disto: