Ocidentalismo

por Leandro Oliveira

“Music in the Castle of Heaven” de John Eliot Gardiner

Unknown

A despeito das dimensões de tirar o fôlego, “Music in the Castle of Heaven” é de fato um ensaio. Ensaio seguro, pois bem informado, inteligente e atualizado; mas ensaio, posto que, a despeito das referências que estão lá para quem quiser pesquisar, é pouco dado a minúcias musicológicas – importantes para os estudos objetivamente técnicos. A problematização das referências acaba ganhando uma leitura no mais das vezes exploratória e não necessariamente historiográfica do “problema” J. S. Bach.

O que quero dizer: valendo-se mais de sua impressionante sensibilidade de intérprete, o autor do livro, o maestro John Eliot Gardiner, privilegia a liberdade intelectual frente alguns temas à mera exposição das fontes ou do estado da questão quanto a descoberta de documentos históricos que seguem problematizando circunstâncias da biografia do grande mestre de Eisenach. Um exemplo, o que mais imediatamente me vem à mente, lida com a discussão sobre os estudos de Bach: era sua escola de fato boa, era Bach um aluno aplicado? São questões que seguem minuciosamente discutidas pelos musicólogos a partir de inferências como o boletim de classe, mas também a descrição do comportamento dos estudantes à época. De algum modo, a leitura de Gardiner parte de uma premissa, que se resume à conclusão: “Old Bach, Bach, the epitome of a musician who strove all life long and finally acquired the ‘Habit of Perfection,’ was a thoroughly imperfect human being.” Assim, Gardiner, privilegia que o “bewigged cantor-to-be was the third in a line of delinquent school prefects — a reformed teenage thug”. Não mais que uma hipótese, embora hipótese interessante sobretudo por lidar com um compositor cuja imagem resvala a santidade e nos permitir construir uma figura que, se não é absolutamente conclusiva ou mesmo precisa, é mais colorida que a mitologia em torno do compositor gosta de divulgar.

O livro tem outras teses, igualmente estimulantes e controversas. A mais reincidente delas: estaria não na obra instrumental mas nos Corais a mais consistente revolução da sua obra, já que marca a transição da “parochiality of the liturgical context” para uma música “that shows more and more signs of an almost limitless appeal”. Gardiner nos garante alguns longos e inspirados capítulos com análises sobre a relação do texto destas cantatas com seu engenho em música e mesmo aqueles sobre as “Paixões” e a “Missa em Si menor” não deixam de ser extensões da tese original.

O fato de privilegiar o repertório que melhor conhece poderia ser argumento para fortalecer as críticas. Mas desde o primeiro capítulo Gardiner nos mostra que estamos lidando com uma leitura pessoal das referências históricas e estética bachiana (o primeiro capítulo é a história do jovem Gardiner travando contato com o compositor) e neste sentido o ponto fraco acaba por asseverar-se um oportunismo inteligente; afinal, é sempre saboroso ouvir de um grande intérprete sua relação íntima com a grande música. E esta relação pessoal, o leitor notará, é culta e rica de pertinentes contextualizações: os capítulos sobre as influências culturais (o luteranismo e a música italiana), a importância dos ancestrais e a estrutura de guildas com a qual Bach conviveu desde sua infância, além daquele sobre os contemporâneos de Bach – que a meu ver merecia ser publicado separadamente – abrem ao interessado caminhos insuspeitos para renovação do interesse cultural desta música sempre surpreendente e necessária.

Assim, todo “senão” deve ser visto no contexto de uma obra colossal que honra sem dúvidas o gênio do objeto biografado. John Eliot Gardiner fez um trabalho monumental e de algum modo magistral. Um livro imprescindível.

****

Para os interessados em música, sugiro dois livros que estão na minha lista de desejos:

1) “Artists Under Hitler: Collaboration and Survival in Nazi Germany” de Jonathan Petropoulos (Yale University Press 2014, pp. 424) promete 10 casos de artistas que de algum modo colaboraram com o ambiente Nazista antes e durante a guerra: Walter Gropius, Paul Hindemith, Gottfried Benn, Ernst Barlach, Emil Nolde, Richard Strauss, Gustaf Gründgens, Leni Riefenstahl, Arno Breker e Albert Speer (citando de passagem Carl Orff, Elisabeth Schwarzkopf, Veit Harlan, Werner Krauss e Emil Jannings, Fritz Klimsch, Wilhelm Kreis, entre outros). Uma excelente crítica pode ser lida na Los Angeles Review of Books.

2) Claudia Dornsbusch e Stefano Paschoal traduziram “As Cantatas de Bach” de Alfred Durr, o grande editor da Neue Bach-Ausgabe. Imagino tratar-se de um aprofundamento fundamental para o livro de Gardiner, com a vantagem de estar já em português! Para mais informações, clique aqui.

por Leandro Oliveira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Últimos tweets

No ocidentalismo não salvamos almas. Alimentamos os peixes para passar as horas…

Agenda de posts

fevereiro 2015
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  
%d blogueiros gostam disto: